O que é autismo? Saiba tudo sobre a patologia

Afinal, você sabe o que é autismo? Descubra hoje tudo o que você precisa saber sobre a patologia.

O que é autismo? Descubra aqui!

É bem provável que você já tenha ouvido falar sobre autismo antes, especialmente se você tem filhos ou netos.

Tornou-se cada vez mais comum nos últimos anos, e a principal razão por trás dessa tendência é que estamos cada vez mais conscientes sobre os seus sinais e sintomas que envolvem o Espectro.

No entanto, pode acontecer que um pai perceba alguns dos sinais de autismo em seu filho, mas não saiba reconhecê-los com precisão e o que deve fazer nesses casos. Se você é um desses pais, você chegou ao lugar certo!

Vamos te ajudar a entender o que é autismo, bem como suas causas e tratamentos.

 

O que é autismo, afinal?

Primeiro… o que é autismo? Enquanto sua definição está evoluindo, o autismo continua sendo um sério distúrbio médico.

Alguns pesquisadores dizem que o autismo faz parte de um grupo maior de transtornos conhecidos como transtornos invasivos do desenvolvimento. Mas, você sabe o que é isso?

Muitas das condições do Espectro são caracterizadas por atrasos na comunicação e habilidades sociais. Também há casos de comportamentos repetitivos e de alta sensibilidade à entrada sensorial.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças do mundo todo observam que cerca de 1 em cada 68 crianças foram identificadas com um transtorno do espectro do autismo.

Além dos desafios comportamentais típicos, as crianças com autismo também podem apresentar diversos sintomas, como:

 

  • Constipação e inchaço;
  • Dificuldade em adormecer ou permanecer dormindo;
  • Sintomas físicos, como pele seca ou eczema.

 

Em outras palavras, o autismo é um transtorno que afeta a forma como alguém se comunica e se relaciona com outras pessoas e como experimenta o mundo ao seu redor.

Pessoas com autismo podem ter dificuldades com habilidades sociais ou mostrar sinais de sensibilidade sensorial.

Além disso, os pesquisadores acreditam que o autismo tem um forte componente genético: se um gêmeo tem autismo, há cerca de 90% de chance de que seu irmão também tenha.

Não há cura para a patologia, mas já existem grandes avanços para ajudar as pessoas a controlar seus sintomas.

 

Sintomas do autismo: quais são eles?

Para entender o que é autismo, você deve considerar os principais sintomas dos que convive diariamente com a patologia.

Os sintomas do Espectro são muitos. Porém, muitos deles se enquadram em uma das duas categorias: social e de comunicação.

Por exemplo, sinais clássicos de autismo incluem problemas para interagir com outras pessoas e desinteresse.

Crianças autistas também costumam ter problemas de comunicação. No geral, alguns desses sintomas podem ser sutis ou não óbvios; é por isso que é fundamental examinar seu filho regularmente para o autismo. Os sintomas mais comuns de TEA (Transtorno do Espectro Autista) incluem:

 

  • Atraso no desenvolvimento da linguagem;
  • Falta de interesse em interagir com outras pessoas (por exemplo, colegas de classe ou mesmo familiares);
  • Repetição de certas rotinas e comportamentos;
  • Perda de habilidades e conhecimentos já adquiridos (por exemplo, se perder dirigindo em um lugar já conhecido), etc.

 

Se você reconhecer alguns destes sinais em um colega de trabalho ou amigo, por favor, os encoraje a visitar um médico; as chances são altas de que eles sejam autistas e nem sabem disso!

Agora que você já sabe o que é autismo, os principais sintomas e definições, que tal analisar as causas? Confira seus possíveis fatores.

 

O que é autismo? Um olhar sobre as causas desta condição

Causas do autismo durante a infância e adolescência.

De fato, as causas do autismo ainda não são totalmente compreendidas. No entanto, algumas pesquisas sugerem que fatores genéticos e ambientais podem desempenhar um papel no distúrbio.

Estudos mostraram que o Espectro tende a ocorrer em famílias, sugerindo que provavelmente há um componente genético.

Filhos de pais com um ou mais traços autistas correm maior risco de desenvolver o transtorno do espectro do autismo do que crianças cujos pais não têm esses traços.

Para você ter uma ideia, não está claro se o risco está relacionado a ter um pai com estas condições ou se é devido a algo sobre o ambiente familiar.

Alguns cientistas acreditam que o Espectro Autista é causado por anormalidades no desenvolvimento do cérebro. Isto é, devido a problemas no crescimento fetal, genética ou fatores ambientais.

Outros pensam que certas infecções durante a gravidez e insuficiência de certas vitaminas ou minerais podem desencadear a patologia. Infelizmente, os estudos até agora não conseguiram encontrar evidências concretas para essas teorias.

Embora essas descobertas nos ajudem a entender melhor o que é autismo, elas não nos dão nenhuma pista de como ele se desenvolve – ou como podemos impedi-lo que aconteça.

 

Tratamentos e terapias: como a intervenção precoce pode ajudar

O que é autismo? Tipos de tratamentos e terapias para TEA.

O autismo nada mais é que um distúrbio do desenvolvimento. Ou seja, é caracterizado pela falta de interação social, comunicação prejudicada e por comportamento restrito e repetitivo.

É um transtorno do espectro que afeta os indivíduos de forma diferente, tornando cada caso único para quem o sofre.

As boas notícias? Existem estratégias que você pode empregar para mitigar quaisquer sintomas de autismo em seu filho.

O tratamento do autismo inclui diversas terapias, desde ocupacional à fonoaudiologia.

Por exemplo, a terapia ocupacional se concentra no comportamento adaptativo, ajudando as crianças a aprender e aperfeiçoar habilidades que são importantes na vida diária.

Por outro lado, a fonoaudiologia ajuda as crianças autistas a falar melhor. ABA trabalha com pais ou cuidadores para melhorar a interação com a criança.

Uma das principais características entre ambas, é ajudar pessoas não autistas a entender como é viver no lugar de uma pessoa autista. O que, por si só, já torna as interações mais naturais entre todos os envolvidos.

Além dessas terapias, a medicação pode ajudar a reduzir alguns dos sintomas mais graves do autismo em adultos e crianças.

 

Conclusão

Já sabe, não é? Como a maioria das coisas, o autismo é melhor compreendido aprendendo todos os seus detalhes.

Ou seja, como acontece com a maioria das questões relacionadas à saúde mental, há mais nuances e complexidade do que aparenta.

Nossa sociedade está acostumada a rotular as coisas rapidamente e em movimento, o que geralmente significa que há uma falta de compreensão sobre o que é o autismo.

Para remediar isso, reserve um tempo para ler nosso artigo sobre o que é ser uma pessoa com autismo.

Se você ou alguém que você ama é afetado pelo autismo ou outra condição relacionada ao TEA, é importante não apenas para a felicidade deles, mas também para sua própria paz de espírito, que você entenda com o que eles estão lidando.