Tratamento do autismo

Não há cura para autismo, porém um planejamento de tratamento prematuro, intenso e pertinente aumento bastante a cenário de crianças pequenas com o distúrbio. A maior parte dos programas aumentará os preferências da criança com uma plano altamente estruturada de atividades construtivas. Os recursos visuais frequentemente são benéficos.

O essencial propósito do tratamento é potencializar as aptidões sociais e comunicativas da criança através da diminuição dos sinais do autismo e do auxílio ao progresso e estudo.

Porém a método de tratamento que possui mais efeito é o que é voltado às necessidades específicas da criança. Um profissional ou uma equipe veterano precisa reproduzir o programa para cada criança. Há diversas terapias para autismo disponíveis, inclusive:

  • Terapias de conversação e comportamento
  • Remédios
  • Terapia ocupacional
  • Fisioterapia

Há vários programas para ajustar complicações sociais, de comunicação e de comportamento que estejam relativos ao autismo. Alguns desses programas focam na diminuição de complicações comportamentais e na experiência de novas aptidões. Mais procuram treinar crianças a como comportar-se em determinadas situações sociais e a como se expor propriamente. Um desses programas é a ABA, abreviação em inglês para Análise Aplicada do Comportamento, bastante empregado em crianças pequenas com um transtorno dentro do espectro do autismo. A ABA usa uma abordagem de treinamento exclusivo que reforça a execução de diversas aptidões. O propósito é que a criança se aproxime do desempenho comum do desenvolvimento. Os programas de ABA geralmente são feitos na casa da criança sob a comando de um psicólogo comportamental.

Outro programa muito usual como variação de tratamento é o TEACCH ( abreviação em inglês para Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Déficits relacionados à Comunicação ), que utiliza mais recursos visuais que auxiliam a criança a trabalhar de maneira independente e a ajeitar e compor seu espaço.

O TEACCH tenta aumentar as aptidões e a habituação de uma criança, ao mesmo tempo que aceita os complicações associados aos distúrbios dentro do espectro do autismo. Variadamente dos programas de ABA, os programas TEACCH não esperam que as crianças atinjam o progresso comum com o tratamento.

Remédios

Não há remédios capazes de cuidar os principais sinais do autismo, porém, várias vezes, são usados remédios para sarar complicações comportamentais ou emocionais que os pacientes com autismo apresentem, como hostilidade, impaciência, complicações de atenção, compulsões extremas que a criança não pode dominar, hiperatividade, impulsividade, irritabilidade, modificações de humor, surtos, dificuldade para dormir e ataques de ira.

Leia também:


site_powered_by_flextype