Sintomas do autismo

Os vestígios de autismo surgem, frequentemente, por volta dos 2 a 3 anos de idade, tempo em que a criança possui uma pleno contato e conversação com as indivíduos e o espaço. Porém, em alguns casos, já é exequível notar alguns sinais de atenção já em bebês, como a escassez de expressões faciais ou a inexistência reação aos sons, por exemplo. Para entender melhor a respeito de autismo nesta ciclo, confira vestígios de autismo dos 0 a 3 anos.

Os sinais de autismo similarmente são capazes de ser percebidos em adolescentes e adultos, e alguns dos mais comuns são o afastamento, não olhar nos olhos, hostilidade e atribulação para se integrar a uma nova cotidiano. É fundamental advertir que somente alguns destes vestígios não confirmam o autismo, sendo fundamental a conversa com o pediatra ou psiquiatra, que poderão realizar uma análise clínica mais individual.

De que maneira perceber se é autismo

No autismo leve, a criança apresenta poucos sinais, que são capazes de várias vezes acabar despercebidos. Confira particularidades sobre como descobrir o autismo leve.

Agora no autismo moderado e grave, a porção e grau dos sinais se tornam maiores. Os sinais que são capazes de ser apresentados por toda criança autista, incluem:

Adversidade na relação social

  • Não desfrutar de aconchego ou amor e dessa forma não se deixa abraçar ou tocar;
  • Dificuldade em relacionar-se com outras crianças e por isto prefere ficar sem companhia que divertir-se com elas;
  • Nunca olhar nos olhos ou evitar não olhar nos olhos mesmo quando indivíduo fala com ela, estando bem próximo;
  • Risos e gargalhadas inadequadas ou fora de momento, como no decorrer de um velório ou uma celebração de casamento ou batismo, por exemplo;
  • Repetir constantemente as mesmas frases, distrair-se constantemente com os mesmos brinquedos.

Complicação de conversação

  • A criança sabe comunicar, porém prefere não manifestar nada e mantém-se calada por horas, mesmo quando fazem perguntas para ela;
  • A criança refere-se a si mesma com a palavra: você
  • No momento em que fala a comunicação é tediosa e com estilo pedante.
  • Repete a dúvida que lhe foi feita diversas vezes seguidas sem se ligar se está chateando os demais;
  • Preserva constantemente a mesma expressão no rosto e não percebe gestos e expressões faciais dos demais;
  • Não reparar no momento em que é convocado pelo nome, como se não estivesse ouvindo nada, apesar de não ser surdo e de não ter qualquer problema auditivo;

Modificações comportamentais

  • Ter brincadeiras estranhas, dando utilidades distintos aos brinquedos que tem;
  • Não possui medo de ocasião perigosas, como andar a rua sem olhar para os carros, alcançar bastante próximo dos animais aparentemente perigosos, como cães de grande aspecto;
  • Distrair-se com apenas uma parte de um jogo, como a roda do carrinho, por exemplo, e ficar constamente olhando e mexendo nela;
  • Teoricamente não sente dor e parece que gosta de se maltratar ou de maltratar os demais de propósito;
  • Ficar passando a mão em itens ou ter obsessão por água;
  • Ficar surpreendentemente irrequieto no momento em que está em público ou em ambientes barulhentos.
  • Leva o braço de outra indivíduo para pegar o instrumento que ela quer;
  • Olha constantemente na mesma rota como se estivesse estacionado no tempo;
  • Encontra-se se balançando para frente e para trás por diversos minutos ou horas ou ziguezaguear as mãos ou os dedos frequentemente;
  • Dificuldade a se acertar a uma nova cotidiano ficando angustiado, podendo se autoagredir ou hostilizar os demais;

Leia também:


site_powered_by_flextype